Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 06.ago.2017, João 6

Disse-lhes pois JESUS: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas Meu PAI vos dá o verdadeiro pão do céu.[Êxodo 16.4,8; Salmos 78.23; João 1.9; 6.33,35]
Porque o pão de DEUS é aquELE que desce do céu e dá vida ao mundo.
Porque faz que o Seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
[João 6.50; 1João 1.1-2]
Disseram-lhe pois: SENHOR, dá-nos sempre desse pão.[João 4.15; Salmos 4.6]
E JESUS lhes disse: EU SOU o pão da vida; aquele que vem a MIM não terá fome; e quem crê em MIM nunca terá sede.[Mateus 11.28; João 5.40; 6.41; Apocalipse 7.16; Isaías 49.10; 55.1-3]

[44095]


JESUS exposto além da nossa crença;
Além da Bíblia...

.

Somos discípulos e servos de CRISTO, pois, ELE é o nosso SENHOR, SALVADOR, MESSIAS, MESTRE, REDENTOR, SUMO SACERDOTE, PASTOR; o MEDIADOR entre DEUS e os homens.

CRISTO é nossa Esperança, Sacrifício pelo pecado, e muito, muito mais!!

Corroborando com o site O CAMINHO BÍBLICO, tudo que se precisa saber sobre JESUS está na Bíblia [que contém a Palavra de DEUS], mas toda história da humanidade está relacionada a ELE, mesmo por que, quando falamos de CRISTO e aos que relataram os evangelhos, o fazemos por amor, e não temos como não falar bem de ALGUÉM que tanto amamos.

JESUS é o personagem central do drama humano; não é surpreendente que a história do mundo esteja dividida em duas extensões, antes de CRISTO (aC) e depois de CRISTO (dC), e para isto, toda a humanidade, faz referência, quer creia ou não no FILHO de DEUS.

Mesmo sendo na Bíblia que JESUS foi revelado, existem evidências consideráveis fora da Bíblia que confirmam que JESUS é uma pessoa histórica, como a Bíblia o apresenta. Esses registros externos colaboram com o que a Bíblia fala sobre JESUS, lembrando que neste tempo presente, alguns (mesmo dizendo crer no FILHO de DEUS) querem incitar ao nome "JESUS" traduções literais.

Note alguns antigos historiadores que mencionam JESUS :

Thallus - um historiador nascido em Samaria que viveu e trabalhou em Roma aproximadamente no ano de 52 dC, é citado por Julius Africanus, um cronógrafo cristão do final do século II: “Thallus, no terceiro livro de suas histórias, explica essa escuridão com um eclipse do Sol”. Africanus faz uma objeção à declaração dizendo que não se pode haver um eclipse solar durante uma lua cheia, como foi o caso de quando JESUS morreu na época da Páscoa. A força da referência a Thallus é que as circunstâncias da morte de JESUS CRISTO eram conhecidas e debatidas na cidade imperial até meados do primeiro século. O fato da crucificação de JESUS deve já ter sido razoavelmente bem conhecida naquele tempo, a ponto de descrentes como Thallus sentirem a necessidade de explicar o fato da escuridão como um fenômeno natural... Ironicamente, os esforços de Thallus tem se tornado evidências para prova histórica de JESUS e a credibilidade do relato de Marcos sobre a escuridão em ocasião de Sua morte.
Mara Bar-Serapion - Um manuscrito no Museu Britânico preserva o texto de uma carta enviada de um pai a seu filho por um Sírio chamado Mara Bar-Serapion. O pai ilustrava a tolice de perseguirem homens sábios como Sócrates, Pitágoras, e o sábio Rei dos Judeus, que o contexto claramente prova ser JESUS. “que vantagem os Atenienses tem de por Sócrates para morrer? Fome e praga vieram sobre eles como castigo por esse crime. Que vantagem os homens de Samos tiveram em queimar Pitágoras? Em pouco tempo suas terras estavam cobertas com areia. Que vantagem os judeus tiveram em executar seu Rei? Foi logo depois disso que seu reino foi abolido. DEUS vingou com Justiça esses três sábios homens: os Atenienses morreram de fome, os Samianos foram sufocados pelos mares; os judeus, arruinados, e desfeitos de sua terra, viveram totalmente dispersos... nem o sábio Rei morreu de verdade; ELE continua vivo nos ensinamentos que ELE deixou”.
Cornelius Tacitus - um historiador romano que viveu aproximadamente entre 50dC e 100dC escreveu com relação ao incêndio de Nero, “consequentemente, para se livrar da acusação, Nero apertou a culpa e infligiu as torturas mais escandalosas numa classe odiada pelas suas abominações, chamados cristãos pelo populacho. CHRISTUS, de onde o nome teve sua origem, sofreu a extrema penalidade durante o império de Tibério na mão de um dos nossos procuradores, Pôncio Pilatos”.
Plinius Secundus - um governador romano em 112dC escreveu ao imperador Trajano. “Eles tinham o hábito de se encontrarem num dia fixo antes de clarear, onde eles cantavam um hino a CRISTO como DEUS, e se comprometiam solenemente a não cometerem nenhuma maldade... depois disso era costume separar-se, e depois reunir-se novamente para compartilhar a comida, mas comida normal”.
Seutonius - um analista e oficial de corte da Casa Imperial durante o reino de Adriano escreveu em 120dC sobre a vida de Cláudius. “como os judeus estavam fazendo constantes pertubações na instigação de CHRESTUS (CRISTO), ele (Cláudio) os expulsou de Roma”. Edward C. Wharton afirma “a razão da fama dessa declaração é devido ao fato que Lucas, uns 60 anos antes, registrou esse mesmo incidente como razão pelo apóstolo Paulo estar se juntando com o casal Áquila e Priscila [Atos 18.1-2]. Novamente, o relato de CRISTO num contexto histórico é observado em literatura não-bíblica”.
Flávius Josephus - tem uma observação interessante “e nesse tempo surgiu JESUS, um Homem sábio, se de fato podemos chamá-lo de Homem; pois ELE é Genitor de grandes feitos, Professor de homens que receberam a verdade com grande prazer. ELE conquistou muitos judeus e também muitos gregos. Esse Homem era o MESSIAS. E quando Pilatos O condenou à cruz por instigação de nossos próprios líderes judeus, aqueles que O amaram desde começo não cessaram. Pois ELE apareceu a eles no terceiro dia ressuscitado, como os profetas previram e disseram muitas outras coisas maravilhosas sobre ELE. E até agora o movimento dos cristãos, denominados assim por causa dELE, ainda não morreu”.

Antigos escritores judeus e gentios

O que segue é uma citação de F.F. Bruce que sintetiza isso claramente.

Seja o que for que se pense das evidências de antigos escritores judeus e gentios.... pelo menos estabelece, para aqueles que negam a testemunha dos escritos cristãos, o personagem histórico do próprio JESUS. Alguns escritores podem brincar com a existência de um “Cristo-mito”, mas eles não fazem isso com uma base na evidência histórica. A historicidade de CRISTO é tão axiomática para um historiador não-baseado quanto a historicidade de Júlio César. Não são historiadores que propagam as teorias do “Cristo-Mito”.
Axiomática, é o conjunto de noções primárias (axiomas) admitidas sem demonstração e que constituem a base de um ramo das matemáticas, deduzindo-se o conteúdo deste ramo do conjunto pelo raciocínio.



Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.



Cronologia bíblica, Novo Testamento


TIAGO - é provavelmente a mais antiga epístola do Novo Testamento, escrita talvez em 45 dC, antes do primeiro concílio de Jerusalém em 50 dC. Tiago foi martirizado em aproximadamente 62 dC, segundo o historiador Flávio Josefo. 
Propósito: Alguns acham que esta carta foi escrita em resposta a uma interpretação excessivamente zelosa do ensino de Paulo sobre a fé. Essa visão extrema, chamada de antinomismo, sustentava que através da fé em CRISTO é possível estar completamente livre de todas as leis do Antigo Testamento, todo o legalismo, toda a lei secular e toda a moralidade de uma sociedade. O livro de Tiago se dirige aos cristãos judeus dispersos entre todas as nações [Tiago 1.1]. Martinho Lutero, o qual detestava esta carta e a chamava de "epístola de palha", não conseguiu reconhecer que o ensino de Tiago sobre as obras complementava – e não contradizia – o ensino de Paulo sobre a fé. Embora os ensinamentos paulinos se concentrem em nossa justificação com DEUS, os ensinamentos de Tiago concentram-se nas obras que exemplificam essa justificação. Tiago escreveu aos judeus para incentivá-los a continuar crescendo nesta nova fé cristã. Tiago destaca que as boas ações fluirão naturalmente daqueles que estão cheios do ESPÍRITO e questiona se alguém pode ou não ter uma fé salvadora se os frutos do espírito não puderem ser observados, assim como Paulo descreve em Gálatas 5.22-23.


MATEUS - por volta de 50 dC. Essa foi uma época em que a maioria dos cristãos eram judeus convertidos, assim, o foco de Mateus na perspectiva judaica neste evangelho é compreensível.
Propósito: Mateus tem a intenção de provar aos judeus que JESUS CRISTO é o MESSIAS prometido. Mais do que qualquer outro evangelho, Mateus cita o Antigo Testamento para mostrar como JESUS cumpriu as palavras dos profetas judeus. Mateus descreve em detalhes a linhagem de JESUS desde Davi e usa muitas expressões familiares aos judeus. O amor e preocupação de Mateus por seu povo é visível através de sua abordagem minuciosa de contar a história do evangelho.


1TESSALONICENSES - foi escrita em cerca de 50 dC.
Propósito: Na igreja de Tessalônica havia alguns mal-entendidos sobre o retorno de CRISTO. Paulo desejava esclarecê-los em sua carta. Ele também a escreve como uma instrução a uma vida santa.


2TESSALONICENSES - foi provavelmente escrita em 51-52 dC.
Propósito: A igreja de Tessalônica ainda tinha alguns equívocos sobre o Dia do SENHOR. Eles achavam que já tinha acontecido, então pararam de trabalhar. Eles estavam sendo gravemente perseguidos. Paulo escreveu para esclarecer os mal-entendidos e confortá-los.


GÁLATAS - dependendo de aonde exatamente a epístola foi enviada e em qual viagem missionária Paulo iniciou as igrejas naquela área, a epístola  foi escrita em algum lugar entre 48 e 55 dC.
Propósito: As igrejas em Galácia eram formadas em parte de judeus convertidos e em parte de gentios convertidos, como era geralmente o caso. Paulo afirma seu caráter apostólico e as doutrinas que ensinava a fim de confirmar as igrejas da Galácia na fé de CRISTO, especialmente no que diz respeito ao ponto importante da justificação pela fé. Assim, o assunto é essencialmente o mesmo ao discutido na epístola aos Romanos, ou seja, a justificação pela fé. Nesta carta, contudo, a atenção é especialmente dirigida ao ponto de que os homens são justificados pela fé sem as obras da Lei de Moisés.


1CORÍNTIOS - foi escrita em cerca de 55 dC.
Propósito: Poucos anos depois de deixar a igreja, o apóstolo Paulo ouviu alguns relatos preocupantes sobre a igreja de Corinto. Eles estavam cheios de orgulho e tolerando a imoralidade sexual. Os dons espirituais estavam sendo usados indevidamente e havia um crescente mal-entendido das principais doutrinas cristãs. O apóstolo Paulo escreveu sua primeira carta aos Coríntios na tentativa de restaurar a igreja de Corinto à sua fundação: JESUS CRISTO.


2CORÍNTIOS - foi provavelmente escrita cerca de 55-57 dC.
Propósito: A igreja em Corinto começou em 52 dC como resultado da visita de Paulo em sua segunda viagem missionária. Foi então que ele ficou um ano e meio, a primeira vez que pôde permanecer no mesmo lugar o tanto que quisesse. Um registro dessa visita e do estabelecimento da igreja é encontrado em Atos 18.1-18.


ROMANOS - foi provavelmente escrita entre 56-58 dC.
Propósito: Como em todas as epístolas de Paulo às igrejas, o seu propósito em escrevê-las foi proclamar a glória do SENHOR JESUS CRISTO através do ensino da doutrina, assim como edificar e encorajar os crentes que receberiam a carta. De particular preocupação para Paulo foram aqueles a quem esta carta foi escrita – aqueles em Roma que foram "amados de DEUS, chamados para serdes santos" [Romanos 1.7]. Porque ele próprio era um cidadão romano, ele tinha uma paixão única por aqueles na assembleia dos crentes em Roma. Já que Paulo não tinha, até este ponto, visitado a igreja de Roma, esta carta também serviu como sua introdução para eles.


MARCOS - um dos primeiros livros escritos no Novo Testamento, provavelmente em 57-59 dC.
Propósito: Embora Mateus tenha sido escrito principalmente para seus irmãos judeus, o Evangelho de Marcos parece ser direcionado aos crentes romanos, particularmente os gentios. Marcos escreveu como um pastor para os cristãos que já tinham ouvido e acreditado no Evangelho [Romanos 1.8]. Ele desejava que eles tivessem uma narrativa biográfica de JESUS CRISTO como Servo do SENHOR e SALVADOR do mundo a fim de fortalecer a sua fé diante da perseguição severa e ensinar-lhes o que significava ser Seus discípulos.


LUCAS - provavelmente escrito entre 58 e 65 dC.
Propósito: Assim como os outros dois evangelhos sinóticos, Mateus e Marcos, o propósito deste livro é revelar o SENHOR JESUS CRISTO e tudo o que ELE "começou a fazer e a ensinar até ao dia em que... foi elevado às alturas" [Atos 1.1-2]. O Evangelho de Lucas é único por ser uma narração meticulosa -- uma "exposição em ordem" [Lucas 1.3] compatível com a mente médica de Lucas -- muitas vezes dando detalhes que as outras narrativas omitem. A história de Lucas da vida do Grande Médico enfatiza o seu ministério - e compaixão – aos gentios, samaritanos, mulheres, crianças, cobradores de impostos, pecadores e outros considerados marginalizados em Israel.


COLOSSENSES - provavelmente escrita entre 58-62 dC.
Propósito: Colossenses é um mini-curso de ética, abordando todas as áreas da vida cristã. Paulo progride da vida individual ao lar e família, do trabalho à forma na qual devemos tratar os outros. O tema desta epístola é a suficiência de nosso SENHOR, JESUS CRISTO, em satisfazer nossas necessidades em todas as áreas.


FILEMOM - foi escrita em cerca de 60 dC.
Propósito: A carta a Filemom é a mais curta de todas as obras de Paulo e lida com a prática da escravidão. A carta sugere que Paulo estava na prisão quando a escreveu. Filemom era um proprietário de escravos que também hospedava uma igreja em sua casa. Durante o tempo do ministério de Paulo em Éfeso, Filemom tinha provavelmente viajado para a cidade e, ao escutar a pregação de Paulo, converteu-se a CRISTO. O escravo Onésimo roubou seu senhor, Filemom, e fugiu, dirigindo-se a Roma e a Paulo. Onésimo ainda era propriedade de Filemom, e Paulo escreveu para suavizar o seu regresso ao seu mestre. Onésimo tornou-se um cristão [Filemom 10] como resultado da testificação de Paulo, o qual queria que Filemom aceitasse Onésimo como um irmão em CRISTO e não meramente como um escravo.


EFÉSIOS - foi muito provavelmente escrita entre 60-63 dC.
Propósito: Paulo desejava que todos os que ansiavam pela maturidade semelhante à de CRISTO recebesse esse registro. A epístola de Efésios descreve a disciplina necessária para se transformar em verdadeiros filhos de DEUS. Além disso, um estudo de Efésios vai ajudar a fortalecer e estabelecer o crente para que ele possa cumprir o propósito e chamado de DEUS. O objetivo desta epístola é confirmar e equipar a igreja a amadurecer. Ele apresenta uma visão equilibrada do corpo de CRISTO e sua importância na economia de DEUS.


1PEDRO - provavelmente escrita entre 60 e 65 dC.
Propósito: É uma carta de Pedro aos fiéis que tinham sido dispersos por todo o mundo antigo e estavam sob intensa perseguição. Pedro realmente entendia o que era ser perseguido. Ele foi espancado, ameaçado, punido e preso por pregar a Palavra de DEUS. Ele sabia o que era perseverar sem amargura e sem nunca perder a esperança, assim como viver uma vida obediente e vitoriosa em muita fé. Esse conhecimento da esperança viva em JESUS foi a sua mensagem, assim como seguir o exemplo de CRISTO.


JUDAS - está intimamente relacionada com a epístola de 2Pedro. A data da autoria de Judas depende de se ele utilizou conteúdo de 2Pedro, ou se Pedro usou conteúdo de Judas ao escrever 2Pedro. Foi escrita entre 60 e 80 dC.
Propósito: A epístola de Judas é muito importante para nós hoje porque foi escrita sobre o fim dos tempos, para o fim da era da igreja. A era da igreja começou no Dia de Pentecostes. Judas é a única epístola inteiramente dedicada à grande apostasia. Judas escreve que más obras são a prova de apostasia. Ele nos exorta a batalhar pela fé, pois há joio no meio do trigo. Falsos profetas estão na igreja e os santos estão em perigo. Judas é uma epístola pequena, mas muito importante e digna de estudo, escrita para os cristãos de hoje.


ATOS DOS APÓSTOLOS - foi provavelmente escrito entre 61-64 dC.
Propósito: O livro de Atos foi escrito para fornecer uma história da igreja primitiva. A ênfase do livro é a importância do dia de Pentecostes e o ser capacitado pelo ESPÍRITO para sermos testemunhas eficazes de JESUS CRISTO. Atos registra os apóstolos sendo testemunhas de CRISTO em Jerusalém, Judeia, Samaria e o mundo ao redor. O livro esclarece mais sobre o dom do ESPÍRITO SANTO, O qual capacita, orienta, ensina e serve como nosso CONSOLADOR. Ao ler Atos dos Apóstolos, somos iluminados e encorajados pelos muitos milagres que estavam sendo realizados naquela época pelos discípulos Pedro, João e Paulo. O livro enfatiza a importância da obediência à Palavra de DEUS e a transformação que ocorre como resultado do conhecimento de CRISTO. Há também muitas referências daqueles que rejeitaram a verdade que os discípulos pregavam sobre o SENHOR JESUS CRISTO. Poder, ganância e muitos outros vícios do diabo são evidenciados no livro de Atos.


FILIPENSES - escrita em aproximadamente 61 dC.
Propósito: A Epístola aos Filipenses, uma das epístolas de Paulo na prisão, foi escrita em Roma. Foi em Filipos, onde Paulo visitou em sua segunda viagem missionária [Atos 16.12], que Lídia e o carcereiro e sua família foram convertidos a CRISTO. Agora, alguns anos mais tarde, a igreja estava bem estabelecida, como se pode deduzir pelo seu tratamento inicial, o qual diz: "bispos (presbíteros) e diáconos" [Filipenses 1.1]. O motivo para a epístola foi reconhecer uma oferta monetária procedente da igreja em Filipos e levada ao apóstolo por Epafrodito, um dos seus membros [Filipenses 4.10-18]. Esta é uma delicada carta para um grupo de cristãos que eram especialmente próximos ao coração de Paulo [2Coríntios 8.1-6] e, comparativamente, pouco é dito sobre o erro doutrinário.


1TIMÓTEO - foi escrita em aproximadamente 62-66 dC.
Propósito: Paulo escreveu a Timóteo para encorajá-lo em sua responsabilidade de supervisionar o trabalho da igreja de Éfeso e, possivelmente, as outras igrejas na província da Ásia [1Timóteo 1.3].


HEBREUS - Clemente, um dos pais da igreja primitiva, citou a epístola em 95 dC. No entanto, provas internas, tais como o fato de que Timóteo estava vivo no momento em que a carta foi escrita e a ausência de qualquer evidência mostrando o fim do sistema sacrificial do Antigo Testamento, o qual ocorrera com a destruição de Jerusalém em 70 dC, indicam que a epístola foi escrita por volta de 65 dC.
Propósito: O falecido Dr. Walter Martin, fundador do Instituto de Investigação Cristã e autor do best-seller Kingdom of the Cults (Reino das Seitas), disse em sua sarcástica e habitual forma de falar que a epístola de hebreus foi escrita por um hebreu para outros hebreus para dizer-lhes que deixassem de agir como hebreus. Na verdade, muitos dos primeiros crentes judeus estavam caindo de volta aos rituais do judaísmo a fim de escaparem da crescente perseguição. Esta carta, então, é uma exortação para esses crentes perseguidos a continuarem na graça de JESUS CRISTO.


2PEDRO - foi escrito no final da vida de Pedro. Já que Pedro foi martirizado em Roma durante o reinado de Nero, sua morte deve ter ocorrido antes de 68 dC. Ele muito provavelmente escreveu 2Pedro entre 65 e 68 dC.
Propósito: Pedro ficou alarmado que falsos mestres estavam começando a infiltrar-se nas igrejas. Ele fez um chamado aos cristãos para crescerem e tornarem-se fortes em sua fé, a fim de detectarem e combaterem a crescente apostasia. Ele enfatizou fortemente a autenticidade da Palavra de DEUS e a certeza do retorno do SENHOR JESUS.


TITO - foi escrita em aproximadamente 66 dC. As muitas jornadas de Paulo estão bem documentadas e mostram que ele escreveu a Tito de Nicópolis em Épiro. Em algumas Bíblias, uma anotação da epístola pode mostrar que Paulo escreveu de Nicópolis na Macedônia. No entanto, não há conhecimento desse lugar e anotações não têm nenhuma autoridade por não serem autênticas.
Propósito: A Epístola a Tito é conhecida como uma das Epístolas Pastorais, assim como as duas cartas a Timóteo. Esta carta foi escrita pelo apóstolo Paulo para incentivar o seu irmão na fé, Tito, o qual havia sido deixado em Creta para liderar a Igreja que Paulo havia estabelecido em uma de suas viagens missionárias [Tito 1.5]. Esta carta aconselha Tito a respeito de quais qualificações deve-se buscar nos líderes da igreja. Ele também alerta Tito acerca da reputação daqueles que viviam na ilha de Creta [Tito 1.12]. Além de instruir Tito sobre o que procurar em um líder da igreja, Paulo também incentivou-o a voltar a Nicópolis para uma visita. Em outras palavras, Paulo continuou a discipular a Tito e a outros enquanto cresciam na graça do SENHOR [Tito 3.13].


2TIMÓTEO - foi escrita em aproximadamente 67 dC, pouco antes do apóstolo Paulo ser condenado à morte.
Propósito: Aprisionado em Roma mais uma vez, o apóstolo Paulo se sentiu sozinho e abandonado. Paulo percebeu que a sua vida terrena provavelmente estaria em breve chegando ao fim. A epístola é essencialmente as "últimas palavras" de Paulo. Paulo olhou além da sua própria situação para expressar preocupação com as igrejas e especificamente com Timóteo. Paulo queria usar suas últimas palavras para encorajar Timóteo, e todos os outros crentes, a perseverar na fé [2Timóteo 3.14] e proclamar o evangelho de JESUS CRISTO [2Timóteo 4.2].


JOÃO - A descoberta de certos fragmentos de papiros em cerca de 135 dC requer que o livro tenha sido escrito, copiado e distribuído antes disso. Enquanto alguns acreditem que tenha sido escrito antes da destruição de Jerusalém (70 dC), 85-90 dC é uma data mais aceita para a sua escrita.
Propósito: João 20.31 cita o propósito como sendo o seguinte: "Estes, porém, foram registrados para que creiais que JESUS é o CRISTO, o FILHO de DEUS, e para que, crendo, tenhais vida em Seu nome". Ao contrário dos três Evangelhos sinóticos, o propósito de João não é apresentar uma narrativa cronológica da vida de CRISTO, mas mostrar a sua divindade. João queria não só fortalecer a fé dos crentes de segunda geração e levar outros à fé, mas também corrigir uma falsa doutrina que estava se espalhando. João enfatizou JESUS CRISTO como sendo "o FILHO de DEUS", totalmente DEUS e totalmente Homem, ao contrário da falsa doutrina do "espírito-CRISTO", a qual afirmava que esse espírito tinha vindo sobre o homem JESUS em Seu batismo e deixado-O na crucificação.


1JOÃO - foi provavelmente escrita entre 85-95 dC.
Propósito: A epístola de 1João parece ser um resumo que pressupõe o conhecimento dos leitores do evangelho escrito por João e oferece segurança para a sua fé em CRISTO. A primeira epístola indica que os leitores foram confrontados com o erro do gnosticismo, o qual se tornou um problema mais grave no segundo século. Como uma filosofia da religião, o gnosticismo defendia que a matéria é má e o espírito é bom. A solução para a tensão entre os dois era o conhecimento, ou gnosis, através do qual o homem erguia-se do simples ao espiritual. Na mensagem do evangelho, isso levou a duas falsas teorias sobre a pessoa de CRISTO, Docetismo – acerca do JESUS humano como um fantasma JESUS - e Cerintianismo – teoria que assegurava que Jesus tinha uma dupla personalidade, às vezes humana e às vezes divina. O objetivo fundamental de 1João é estabelecer limites sobre o conteúdo da fé e dar aos crentes certeza da sua salvação.


2JOÃO - possivelmente foi escrita por volta do mesmo tempo que as outras cartas de João, 1 e 3João, provavelmente entre 85-95 dC.
Propósito: A epístola de 2João é um apelo urgente para que os leitores da carta de João demonstrassem o seu amor por DEUS e Seu FILHO JESUS ao obedecer ao mandamento de amar uns aos outros e viver suas vidas em obediência às Escrituras. A epístola também é um forte alerta para terem cuidado com os enganadores que andavam dizendo que CRISTO não tinha realmente ressuscitado na carne.


3JOÃO - possivelmente foi escrita por volta do mesmo tempo que as outras cartas de João, 1 e 2João, provavelmente entre os anos 85-95 dC.
Propósito: O objetivo de João ao escrever esta terceira epístola é triplo. Primeiro, ele escreve para elogiar e incentivar seu amado colega de trabalho, Gaio, em seu ministério de hospitalidade aos mensageiros itinerantes que iam de um lugar a outro para pregar o Evangelho de CRISTO. Segundo, ele indiretamente adverte e condena o comportamento de Diótrefes, líder ditatorial que tinha assumido uma das igrejas na província da Ásia, e cujo comportamento era diretamente contra a tudo o que o apóstolo e seu Evangelho representavam. Terceiro, ele louva o exemplo de Demétrio, discípulo sobre o qual relatava-se um bom testemunho.


APOCALIPSE - foi provavelmente escrito entre os 90 e 95 dC.
Propósito: A Revelação de JESUS CRISTO foi dada a João por DEUS "para mostrar aos seus servos o que em breve há de acontecer". Este livro é cheio de mistérios sobre coisas que virão. É o último aviso de que o mundo certamente terminará e que o julgamento é certo. Dá-nos um pequeno vislumbre do céu e de todas as glórias que aguardam aqueles que mantêm as suas vestes brancas. O livro de Apocalipse leva-nos através da grande tribulação, com todas as suas aflições, e do fogo final que todos os infiéis terão de enfrentar pela eternidade. O livro recorda a queda de satanás e a condenação que o aguarda juntamente com seus anjos. Vemos também as tarefas de todas as criaturas e anjos do céu, assim como as promessas dos santos que viverão para sempre com JESUS na Nova Jerusalém. Como João, é difícil encontrar palavras para descrever o que lemos no livro do Apocalipse.







Estar nas igrejas e não pertencem ao corpo de CRISTO.

.

Contexto em 1Coríntios 12:

"Ora, vós sois o corpo de CRISTO, e seus membros em particular."

Alguns, não poucos, têm submetido a teste o beneplácito de DEUS para com todos nós, pecadores.

Milhares de milhares têm se firmado, em homens religiosos (as lideranças eclesiásticas, tais como pastores, bispos, padres, médiuns, apóstolos, reverendos, missionários), andando cegamente conforme tudo quanto lhes ensina;

A grande maioria dos que frequentam o sistema religioso (lugares apelidados de 'igrejas' e instituições) são como CRISTO asseverou em Marcos 4, por que recebem a Sua Palavra como a semente que caiu entre espinhos, visto que, os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando neles, sufocam a Palavra, e fica infrutífera;

A grande maioria dos que frequentam o sistema religioso são acérrimos defensores da letra, menospreza aos que não frequentam 'templos' e instituições apelidadas de 'igrejas' afectando grande piedade e santidade;

Pertencer ao corpo de CRISTO vai muito além do que apenas frequentar um lugar apelidado de 'igreja';

A verdade pelo testemunho do evangelho descrito pela Palavra de DEUS [contida na Bíblia], certifica que os discípulos e seguidores de CRISTO, convertidos ao entendimento, tanto em o tempo do Novo Testamento quanto neste presente século, são ensinados por DEUS [João 6.45], e a unção que recebem fica neles, e não possuem necessidade de que alguém os ensine; mas, como a unção do ESPÍRITO SANTO os ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela os ensinou, assim nELE permanecem [1João 2.27], e por assim viverem, perseveram em:

  • não se permitir em este ou aquele ser como melhor ou maior que a outrem mesmo possuindo título eclesiástico ou cursos teológicos, PhD, doutores em divindade, vasto conhecimento bíblico [Lucas 22.26]; 
  • não se dividir ou apregoar denominações ou agremiações e instituições religiosas [1Coríntios 1.12,13]; 
  • não sentir a necessidades de levar recursos financeiros e entregá-los nas mãos de religiosos, não aceitar a barganha, a libertinagem avarenta em usar versículos bíblicos para se manter instituições religiosos, seus fundadores e suas proles [1Coríntios 15.19];
  • não difundir a necessidade de autoridades eclesiásticas, e muito menos para ministrar cultos ou reuniões [1Coríntios 14.26];  
  • difundir que a comunhão está em CRISTO e não por frequentar lugares [1Coríntios 1.9];  
  • não se preocupar com a construção de templos [Atos 17.24], por que as reuniões são em CRISTO [Mateus 18.20] e em qualquer lugar, não por estar em um lugar supostamente santificado com nome de 'igreja';  
  • não usar vestes religiosas, as tais estolas e batinas e mantos como símbolo de santidade e separação de obreiros [Romanos 12.5], e abominam unções (e consagrações) de homens e mulheres religiosos que usam de tal artificio para perpetuarem seus cargos; 
  • não buscar os melhores lugares nas reuniões [Mateus 23.6]; 
  • não realizar campanhas, coreografias, danças, não formar cantores e corais para cantorias chamadas de "adoração", DEUS é ESPÍRITO, e importa que os que O adoram O adorem em espírito e em verdade [João 4]; 
  • sentir que a necessidade de 'congregar' [Hebreus 10.25] é pertencer a Igreja de CRISTO e não por ir a um lugar com apelido de 'igreja'; 
  • criticar e julgar conforme ordenado por CRISTO [João 7.24] as atitudes das lideranças eclesiásticas [Mateus 23] e a todos quanto vivem pela religiosidade; 
  • estar firmes na liberdade com que CRISTO os libertou, e não tornar a se colocar debaixo do jugo da servidão de homens religiosos, as lideranças eclesiásticas [Gálatas 5], se afastar de crendices, sofisma, dogmas, legalismo que os próprios lideres religiosos condenam e praticam, por que são amantes de si mesmos;
  •  
    Por todo o exposto, ainda o apóstolo Paulo adverte em Romanos 2, aos que a si mesmos se exaltam e se firmam apenas na 'igreja instituição' e suas lideranças, que não compreendem quão paciente DEUS está sendo.
    Ou então, não se incomodam com isso.
    Não vêem que ELE tem esperado todo esse tempo sem castigá-los, a fim de dar tempo para que abandonem a religiosidade firmada em preceitos, doutrinas e  vã filosofia de homens;
    Sua bondade tem a finalidade de levá-los ao arrependimento e não ao convencimento.

    Porém, não querem ouvir; assim, com isto, estarão guardando um castigo terrível para si mesmos, devido à teimosia em recusar a abandonar suas vontades carnais e terrenas;
    Pois, virá o dia da ira, quando DEUS será o Justo Juiz.
    ELE dará a cada um o que suas obras merecerem.


    Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
    Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.


    .


    A Bíblia não é a Palavra de DEUS.

    .

    Foto: Propaganda de Silas Malafaia.

    A história bíblica nos é apresentada pelos homens de DEUS, inspirados pelo ESPÍRITO SANTO, que compuseram individualmente os livros que formam a Bíblia.

    Porém, muitos têm se equivocado em admitir, outros usado de forma fraudulenta, outros se permitindo ao erro, em comum, ao afirmar o argumento capcioso de que a Bíblia é a Palavra de DEUS.

    Definitivamente, a Bíblia não é a Palavra de DEUS!!

    Alguns poderão estar estarrecidos com esta afirmação, porém, é a mais pura e cristalina verdade, testificada pela própria Palavra de DEUS.

    Mas, como é isto??

    Simples. Todos temos pleno conhecimento de que a Bíblia ao longo do tempo vem sendo adulterada (propositalmente), alguns mercenários religiosos movidos apenas pelo interesse pessoal e material a tem feito de forma comercial, de forma a render como mercadoria, produto, valor = NEGÓCIO; se estas Bíblias fossem a Palavra de DEUS, não seríamos justificados, ou melhor, estaríamos num mato sem cachorro caçando com gato e levando coelho por lebre;

    E neste intuito, o que passivamente chamamos de Bíblia Sagrada, está longe de ser, afinal, durante séculos, religiosos vem inserindo ou extraindo aquilo a que mais lhes é agradável ou aprazível, fazendo crer que a Bíblia seja a Palavra de DEUS.

    Centenas e milhares, através de estudos seculares e cursos (chamados de teologia) estão cada vez mais possuindo conhecimento bíblico (tornam-se PhD, doutores em divindade, bacharéis em vãs filosofias e mais uma porção de títulos seculares), porém, tudo isto por particulares interpretações do que nos apresenta a Palavra de DEUS, contudo, afastam-se sobremaneira do entendimento.

    Enfim, necessário se faz, meditar exaustivamente (e ainda é pouco) no que nos diz os relatos bíblicos de Apocalipse 19, porquanto, poderemos entender um pouco do que nos diz o SENHOR DEUS acerca de Sua Palavra:
    "E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco;
    e O que estava assentado sobre ele chama-se FIEL e VERDADEIRO;
    e julga e peleja com justiça.
    E os Seus olhos eram como chama de fogo;
    e sobre a Sua cabeça havia muitos diademas;
    e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ELE mesmo.
    E estava Vestido de veste tingida em sangue;
    e o nome pelo qual se chama é a Palavra de DEUS.
    "

    Diante o que nos afirma e testifica o contexto bíblico e de tudo o que os homens pela religiosidade vem adulterando de forma carnal, leviana, fútil, débil, sarcástica, somos constrangidos a aceitar que a Bíblia não é a Palavra de DEUS;

    E por fim, sem delongas, a expressão ao bem da verdade e ao evangelho e a sã doutrina de CRISTO, é que a Bíblia contém a Palavra de DEUS, a essência, o que constitui a natureza de qual seja a boa, agradável e perfeita vontade do CRIADOR!!


    Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
    Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.